quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

O FIM!

Ontem foi o último dia que toquei naquela que era o meu porto de abrigo, o meu amor maior, a minha força, a minha vida.
Fria, gelada, mas ainda o teu corpo. Ainda a esperança que fosses tu.
Não nos deram a esperança de lutar, não nos deixaram tentar, lutamos uma luta desleal, onde ele foi mais forte que nós, novamente!
Prometi que desta vez vencíamos nós, falhei! Prometi que faria justiça, não falharei!
Farei das tuas últimas palavras "Se eu morrer chama a televisão", uma ordem, uma missão e espero que mais Rosas não sejam negligenciadas.

Fica um vazio, uma dor que não há medida, uma vida destroçada, uma casa vazia. Um marido de rastos e os filhos perdidos. Mas fica também o teu carinho, o teu amor e a tua força. A TUA FORÇA, essa que era maior que a nossa dor. Essa que ia contra tudo e todos, e sabemos que lutaste até ao fim. A tua última lágrima, no canto do olho, mostra que a tua força foi até ao fim.
Nós prometemos honrar-te, prometemos dar o nosso melhor, mesmo nos dias mais escuros, prometemos ser aquilo que tu sempre quiseste que nós fôssemos.

Prometemos amar-te até ao último segundo, prometemos nunca nos esquecermos de ti!






domingo, 24 de janeiro de 2016

Hoje quando fui votar, cruzei-me com aquele que foi a minha primeira paixão, desde a primária até ao básico.
Estava mais o meu irmão, foi a primeira vez que votou (como os putos crescem), e confirmei e voltei a lembrá-lo que só se chama B. porque o B. também se chamava.
Eu: "Viste o rapaz que cumprimentei? "É o B. aquele por quem era apaixonada na primária e por isso pedi à mãe para te chamares B. também."

Fica na inocência que foi só por isso que se chama B. mas na verdade, era o nome que os meus pais gostavam, a par com Nuno mas já havia um na família e acabou por ganhar o B.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Diário de um cabrão

Dia 14

Ontem a minha mãe teve a primeira consulta de oncologia, no hospital de Famalicão. Foi uma consulta de grupo e nesse mesmo grupo estava o doutor negligente Rui Serra.
Já o tinha ignorado uma vez nas urgências e voltei a ignorar, o que é dele está guardado e neste momento preciso das boas energias todas canalizadas para o que realmente é importante nesta fase. 

Basicamente fizeram a minha mãe sair do conforto do lar, ela está bastante debilitada, para lhe dizerem que os papeis serão enviados para o IPO do Porto e que demorará 2 semanas, mais ao menos, a ser chamada. Quando disseram duas semanas eu quase lhes mordia, que nem uma cadela raivosa. Ainda lhes perguntei, "não dá mais cedo?", "não é o tempo normal dos papeis".
Não percebo como é que dizem a alguém que já tem metástases no fígado, na uretra  e que todos os dias se nota mais debilitada que terá de esperar mais duas semanas.

Tenho a sorte, a feliz sorte de ter um sogro que tem alguns conhecimentos, que felizmente graças à sua profissão conhece um pouco de tudo e neste caso foi bastante útil. Corri em socorro, sei que a minha mãe não aguenta duas semanas de espera, sei que o linfoma é curável mas também sei que avança a olhos vistos. Fiz de tudo para que conseguisse agilizar as coisas, para conseguir andar com as coisas para a frente.

Hoje, estou a caminho do IPO do Porto, estou a caminho de salvar a minha mãe porque sei que por ela ia até ao FIM DO MUNDO.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Diário de um cabrão

Dia 13


Desde Novembro que as coisas não iam muito bem na barriga da minha mãe. Em Outubro descobriram uma massa no fígado e desde então começou a ser vista no hospital.
Foi pedida uma biópsia pela médica que foi rejeitada de seguida por outro médico tendo pedido uma ressonância que foi marcada para hoje.
Entretanto em Dezembro as dores de barriga da minha mãe aumentaram. Foi ao centro de saúde, acharam tudo estranho e encaminharam para o hospital.

Hospital, Take1:
Levava uma carta, da médica do centro de saúde, que pedia exames para verem de onde viria a dor. Chegou lá, foi vista por um burro (perdão aos burros) que a mandou para casa, andava uma virose em cena e de certeza que era isso que ela tinha.
Óbvio que a minha mãe voltou para casa e não tomou nada do que ele lhe deram.

As dores continuaram e dia 21 de Dezembro apareceu-lhe um nódulo na vagina e os gânglios das virilhas estavam inchados. Algo não estava certo e lá fomos nós ao hospital novamente.

Hospital, Take2:

Foi encaminhada para ginecologia com pulseira verde. Foi vista pela ginecologista dela (Dra P.) que achou tudo aquilo estranho, era uma massa dura num local anormal e achava ela que estaria relacionado com o nódulo do fígado. Mandou-a para cirurgia e quando lá chegou começou a festa.
Esteve a soro, a enfermeira era uma bruta e o médico um irresponsável negligente.
Passadas umas duas horas foi chamada para ter alta.
Rui Serra (o negligente): "A senhora não tem nada que justifique essas dores. Não anda bem emocionalmente, tem de ir ver isso."
Mãe: "Mas a Dra. P. disse que o nódulo e as dores deviam estar relacionadas com o fígado e mandou-me para cá."
Rui Serra (o negligente): "A senhora não está cancerosa, não faça filmes. Aqui o médico sou eu, se lhe digo que não tem nada, não tem!" "Daqui leva alta e se não estiver esclarecida vá à Dra P. e peça-lhe um esclarecimento"
Eu: "O senhor está a dizer que as dores são da cabeça da minha mãe, basicamente está a chamar-lhe mentirosa, sabe isso não sabe?"
Rui Serra (o negligente): "Não há nada que justifiquem as dores que a sua mãe diz ter. Mesmo assim mando-lhe o Buscopan para ela tomar de 8 em 8 horas e o diazepam para descansar. O que ela precisa é de dormir bem 3 dias."
Eu calei-me, não queria mandar o Senhor sabichão à merda e viemos embora. Não sem antes ele fazer questão de me dizer que tinha o nome dele na receita que me podia ser útil.
(Nem ele sabia na altura o quão útil me irá ser quando mandar a queixa para a ordem dos médicos)

A minha mãe foi aguentando, dia após dia, dores atrás de dores até dia 4 de Janeiro. Nesse dia encontrou um anjo, um anjo que a acompanha até hoje, mesmo não sendo da área dela. Se não fosse a Dra. Emilia Jácome ainda hoje a minha mãe estaria sem saber o que tem. Exame atrás de exame, biópsia feita por ela à socapa de todos e por iniciativa própria e dia 15 de Janeiro chegou o veredicto.

Linfoma de alto grau.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Bora lá relativizar..

Uma pessoa pega no carro, feliz e contente e de repente luz da reserva da gasolina a piscar. Tudo seria normal não tivesse eu um carro a gás e não enchido o depósito/botija na terça. Olho para o aparelho do gás e a luz da gasolina não se apaga, tento mudar para gás e nada. Disse uns quantos caralhetes, não disse mais porque levava  a minha avó ao lado e respeitinho é muito bonito. Toca a ligar para o pai, isto de ser mulher e ter carro tem muito que se diga, mas este não nos pode valer muito.
Como ando numa fase de relativizar, fui almoçar e de tarde resolvi o assunto, sem pensar muito naquilo.
Lá fui eu até uma oficina, rodeada de homens, homens de mãos negras cheias de óleo, ligam um cabo ao carro outro a  um PC, dez minutos e problema resolvido.
Como neste mundo ainda há pessoas boas, vim embora e o senhor nem dinheiro me levou, como também sou boazinha (tem dias), lá deixei uma nota ao senhor como forma de pagar o tempo que perdeu.

Relativizar é a palavra deste mês e certamente a palavra do ano.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Cusca que sou...

Uma pessoa está numa sala de espera, à espera que a mãe faça mais um dos 20mil exames que tem para fazer, claro está que se tem de entreter com alguma coisa.

Ontem prestei especial atenção a um rapazola que conversava com a sua mãe. Estava muito feliz com a sua conquista, a miúda andou a encornar o namorado com ele, mas agora terminou tudo e estava com ele. Nada sério dizia ele, até porque ainda saiam em segredo, mas os pais dela já sabiam da existência dele. Nada sério portanto! A mãe muito preocupada disse-lhe para não magoar a miúda e de seguida perguntou-lhe se gostava dela. "Gosto, quer dizer, gosto de estar com ela e é sempre bom ter companhia para ir sair, ir ao cinema, ..."
A pergunta chave foi quando a mãe lhe perguntou se não tinha medo que ela lhe fizesse igual, que o andasse a enganar. "Não, eu não sou otário, ela a mim não fazia metade do que fez ao outro!" "Quando ela me deixar de responder às mensagens eu desconfio logo, sou ciumento, tu sabes. Mas eu confio nela, ela a mim não me faz isso"
A conversa continuou por ali fora, até que "fomos" interrompidos pela funcionária que chamou a mãe dele.

Não compreendo o que leva alguém a pensar que o outro é otário e ele um dia não o pode vir a ser. Bem sei que as pessoas mudam, que o facto de a miúda ter traído o ex namorado não significa que o vá trair também, mas eu era incapaz de ficar com alguém que tivesse traído a namorada. Para além de que era incapaz de compactuar com tal coisa.
Sou da opinião que quem não está bem dá meia volta e segue a sua vida, ninguém é obrigado a estar com alguém que não se gosta, muito menos estando a enganar a outra pessoa.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Desejos num dia cinzento de inverno.








Gosto de números ímpares, gosto do 5, do 7, do 13, do 15, do 21, do 23 e de mais alguns.

Hoje é dia 13, hoje preciso de boas noticias, preciso de boas energias de resultados bons. (podia dizer positivos, mas na verdade quero que sejam negativos).
Pouco dormi durante a noite, apesar de adormecer bem cedo, passei a noite toda à voltas na cama, estou com a ansiedade no nível máximo e pouco posso fazer para melhorar. Resta-me esperar, sempre com pensamentos positivos e boas energias.

Para me aconchegar umas UGG nos pés vinham mesmo a calhar. 








segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Por cá...

Primeiro veio uma senhora varrer as folhas e deixar na berma. Depois veio o senhor lavar, tinha acabado de chover há minutos, durante mais de 15 minutos.
Assim é o trabalho dos funcionários da câmara.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Esse Cabrão chamado cancro

Há uns anos atrás assisti aquela que veio a ser a pior noticia na vida da minha tia. Foi a sua sentença de morte adiada por uns longos anos. Uns anos de alegria, outros de sofrimento mas nunca o cabrãozinho lhe tirou a força e a vontade de vencer, simplesmente foi mais forte.

Hoje, ele voltou a bater à porta, aquela que não se abriu mas mesmo assim ele entrou sem pedir. Eu voltei a receber a noticia, desta vez com a minha mãe.
Hoje doeu mais, hoje ele bateu numa porta que já não o esperava mais, que não o queria ver mais à frente, que tinha uma feria cicatrizada mas dorida. Chegou novamente sem pedir, sem anuncio prévio, já devíamos saber que és um mal educado, sem noção alguma, mas pelos vistos ainda não te sabemos tudo.
Hoje chegaste, mas hoje encontraste-nos mais fortes, com mais força, com garra e com a certeza que desta vez vencemos nós.
Desta vez vencemos nós.







Há um dia em que descobrimos que uma das nossas amigas está grávida e esse dia torna-se ainda mais feliz por sabermos que o seu sonho cresce de dia para dia dentro dela.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Ano novo vida nova!

Nunca achei assim muita graça à passagem do ano, nunca acreditei que algo fosse mudar efetivamente. Para mim era apenas uma continuação do que estava para trás, apenas mudava um número na data como muda sempre que mudamos de mês.
Não sei se por 2015 não ter sido tão simpático como desejaria, se por estar mais velha e começar a ver o tempo a correr a verdade é que nunca esperei tanto por uma mudança de ano.

Não pedi desejos, não comi uva passa a uva passa apenas senti a força necessária para querer mudar. Não tenho 12 desejos, tenho muitos mais, tenho muitas mais coisas que gostaria de fazer e se não for eu a fazer por elas quem fará? Vai daí, de semana a semana tenho objetivos para cumprir, que estão englobados de mês a mês. Se todos os dias mudar um bocadinho aquilo que estava mal no ano anterior certamente chegarei ao final deste novo ano muito mais realizada.


sábado, 2 de janeiro de 2016

Bom Ano!


Um ano bem brilhante para todos.
Ainda pensei que teria tempo de passar por cá dia 31 mas foi impossível, só parei à noitinha. Sendo assim, desejo a todos um bom ano que seja repleto de coisas boas e todos os vossos desejos realizados.
Agora, agora vou aproveitar o mimo do meu namorado e continuar a festejar.


BOM ANO!