terça-feira, 1 de março de 2016

Desta vida...

Numa das vezes que fui às urgências com a minha mãe encontrei os pais de uma ex colega de secundário.  Apenas os devo ter visto umas duas vezes na vida, mas pareciam-me eles. A senhora estava um pranto, chorava, estava devastada, o senhor confortava-a dizia-lhe para não se preocupar e para se acalmar. Dócil e carinhoso.
Percebi, pelas atitudes que algo não estaria bem e que seria com o senhor.

O tempo passou, e ontem vi que o senhor tinha falecido. Não quis crer, reli, li e voltei a reler. Era mesmo verdade.
Vi na senhora, vi na filha, minha ex colega a dor que também eu sinto, a perda enorme e o vazio. Mandei-lhe uma mensagem, não podia não tentar conforta-la fosse de que maneira fosse. Sei que não há muito a fazer ou dizer, que por muito que nos digam não passa mas as dores são iguais, as histórias parecidas.

No dia que os vi, foi o dia em que o pai dela descobriu que tinha cancro.

Por vezes dá-me vontade de espancar a vida, de lhe apertar o pescoço, depois penso e não sei se é à vida que devo fazer isso, na verdade não sei contra quem me revoltar. Só sei que a vida, ou a nossa passagem pela terra pode ser muito injusta, muito cruel, mas depois, depois só depende de nós a tornar mais dócil, mais fácil e mais confortável.
Não sei se é um teste, se simplesmente é um ter de ser, mas eu sou mais forte.

4 comentários:

  1. A vida é injusta, com tantas imperfeições e crueldades e nós somos tão impotentes :/

    ResponderExcluir
  2. a vida é uma merda.
    desculpa ser curta e grossa mas é a verdade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente contigo, só não digo que é uma filha da puta, porque não sei quem é a mãe. Uma merda mesmo!

      Excluir
  3. Não vale a pena tentar saber porque é que as coisas acontecem. A vida é muito difícil, sim, mas cabe-nos a nós ultrapassar os maus momentos até que os bons cheguem novamente. E eles chegam sempre. Nada dura para sempre, nem o que é bom e, felizmente, nem o que é mau (=

    ResponderExcluir